Pesquisa Flecha Livros

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

William Blake - Biografia


Com um interesse precoce pela arte William Blake nasceu em Londres, em 28 de novembro de 1757, o segundo das cinco crianças nascidas de James Blake e sua esposa, Catherine.

Seu pai era um camiseiro, vendendo meias, luvas e
retrosaria (roupas masculinas). Aos dez anos, William Blake começou a frequentar a escola de desenho e aos catorze anos ele começou seu aprendizado com um gravador. A arte da gravura foi o que lhe sustentou financeiramente durante sua vida. Essa técnica William dominava perfeitamente e levou ela a um apuração técnica sem precedentes em sua época. Blacke se tornou um dos maiores mestres gravuristas de sua época e um dos mais importantes gravuristas de toda a história da arte. Para saber mais consulte o nosso artigo As Gravuras de William Blake.

Depois de vinte e um anos, ele estudou por um tempo no Royal Academy of Arts, onde Blake formou um violento desgosto pelas regras acadêmicas de excelência em arte. Essa atitude iconoclasta permeou toda sua obra, tanto como poeta como pintor.

Agosto 1782 Blake se casou com Catherine Boucher, que
tinha caído de amores por ele à primeira vista. Ele ensinou-lhe a ler e escrever, habilidades raras na época (pesquisas históricas mostram que menos de 7% da população da Inglaterra podia ler no século XVIII). Mais tarde ela se tornou sua assistente ajudando-o na arte da gravura.

Blake criou uma nova técnica de gravura que era a fusão de suas duas paixões a Arte e a Poesia. Essa nova técnica de impressão permita que as gravuras pudesse ser multi-coloridas com quaisquer tonalidades que o artista desejasse. Antes da invensão de Blake as gravuras eram proeminentemente monocrotática (de uma só cor), ou policrómáticas (várias cores) sem degradê entre elas. A técnica de Blake permitiu o uso do degradê entre as cores dado uma nova vida a arte da gravura.

Desde sua adolescência Blake escreveu poemas,
muitas vezes colocando-os como melodias em suas própria composições musicais.

Quando ele tinha vinte e seis anos, uma coleção intitulada Esquétes Poéticas foi impresso com a ajuda do reverendo Mathew, que realizou um salão cultural para promovê-la. Eles foram os primeiros patronos
de Blake.

Este foi o único de livro de Blake que apareceu em forma impressa convencional. Ele inventou e praticou posteriormente um novo método de impressão onde cada livro era único.

Depois que seu pai morreu em 1784, Blake criou uma gráfica para exercer suas arte. Em 1787, seu irmão mais novo e seu aluno, Robert morreu. Posteriormente William afirmou que Robert havia se comunicado com ele através de visões. Foi Robert, William disse, que o inspirou a inventar o novo método de gravura iluminada, o veiculo ideal para seus poemas.

Blake usou seus métodos originais para imprimir quase
todos os seus longos poemas.

Em 1787, mudou-se para Poland Street, em Londres, onde ele escreveu as Canções da Inocência (1789), o primeiro livro impresso no seu novo processo. Este livro foi posteriormente complementado  pelas poesias de Canções da Experiência (1794).

A obra magnífica alcançou um grau sem igual de beleza para um livro da época com pinturas feitas a mão por Blake em cada exemplar, tornando-os únicos. Do ponto de vista filosófico os pensamentos que dominam essa poesia contrastam de forma sistemática a inocência com o cinismo da experiência.

Esses livros são um marco na história das artes, não só porque eles apresentam originalidade e alta qualidade mas porque eles são um raro exemplo da bem-sucedida fusão de duas formas de arte em sua perfeição por um único homem.

Depois de um breve período de admiração pelo pensador religioso Emanuel Swedenborg, Blake produziu uma desiludida reação aos pensamentos de Emanuel em seu livro intitulado "The Marriage of Heaven and Hell" (co casamento do ceu e do inferono)

Este poema se configura em uma sátira onde os "demônios" são identificados com a energia e gênio criativo, e os "anjos" com a repressão do desejo e os aspectos opressivos da ordem e da racionalidade.

Por volta da década de 1790 Blake tornou-se um radical político e simpatizava com a Revolução Americana e da Revolução Francesa durante seus primeiros anos. Em sua poesia Blake expressa a ferocidade da repressão religiosa e política em geral de sua época, bem como a repressão mais básica da psique individual onde ele via a raiz da tirania institucional de sua época.

Entre essas obras, compostas entre 1793 e 1795, estão  América, Europa, O Livro de Urizen, O Livro de Los, A canção de Los, e O Livro de Ahania. Nestes  poemas, Blake começou a trabalhar a poderosa mitologia que ele refinou em seus posteriores livros.

Blake passou os anos 1800-1803 trabalhando em Felpham, Sussex, com William Hayley, um poeta menor e homem de letras. Hayley tentou empurrar Blake para um empreendimento mais rentável​​, como a pintura, mas Blake se rebelou e voltou para Londres.

Um dos resultado deste conflito foi a poesia de Blake chamada de Milton (composta entre 1800-1810). Neste trabalho, as questões espirituais envolvidas em sua disputa com Hayley são legorizados. Blake dramatizadas a situação ao falar da decisão do poeta Milton de renunciar à segurança do céu
e retornar à Terra para corrigir os erros de sua herança Puritana.

Mais tarde Anos Blake continuou a produzir alguns significativos trabalhos, incluindo seus projetos para os poemas de Milton e a escrita de seu poema próprio "The Everlasting Gospel" (1818), mas sua trabalho não encontrou nenhuma audiência.

Depois de 1818, no entanto, as condições dão uma melhorada. Ele conheceu um grupo de jovens artistas que o respeitavam o e apreciavam pelo seu trabalho. Seus últimos seis anos, foram gastos em Fountain Court, onde Blake fez algumas de suas melhores obra pictóricas com as ilustrações para o livro de Jó e sua inacabada edição da Divina Comédia de Dante.

Em 1824, sua saúde começou a enfraquecer e William Blake morreu em 12 agosto de 1827.

Confira alguns livros de William Blake.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...